Transgrancanaria 2017 – 82k

Transgrancanaria

“Nossa”, eu inicio por um nossa, porque a prova é divina, é abençoada. Literalmente.

Decidi fazer a prova de 82k em razão dessa por si só já ser muito dura, a de 125km então…

Uma vantagem é que iniciei as 7h da manhã, eu prefiro a que iniciar na madrugada, escolha pessoal. Mas enfim, diante de todas as alternativas, ir até lá é para realizar ou a de 125 ou a de 82, pois são as únicas que passam pelo Roque Nublo, o monumento principal da ilha, uma formação geológica que encanta os nossos olhos a quilômetros.

Quando disse divina, a previsão seria que não se veria o Roque Nublo, pois ele estava encoberto, mas de repente, foi mágico, ele se abriu diante dos nossos olhos e foi maravilhoso!

16904600_590626127774733_2274004421524682456_o.jpg
A corrida iniciou em Fontanales, logo na saída entramos em um trilha estreita e já peguei “tráfego”, o solo naquela região era úmido e muita lama escorregadia. Descemos até o km 7 na cidade de Vallesecco. Sempre quando entrávamos nas cidadezinhas era um encanto, toda população se mobilizava e gritava “Animo, Animo”; escutei umas 1000 vezes o animo durante a prova, mas nenhuma palavra seria tão bem colocada como essa. Eu sempre sorria ao escutar. Em seguida se desceu ate a cidade de Teror, do qual se iniciaria a primeira subida, seriam 1000m acumulados em menos de 10km. A subida era técnica com algumas escadarias que entrariam em um parque. Ainda fazia frio (largamos com 7 cº) eu não havia tirado meu corta vento e à medida que subíamos o tempo fechava mais e o frio persistia.

O engraçado é que a vegetação muda completamente da base para os topos. No nível do mar era muito desértico com dunas , cactus e pouca vegetação. No alto se via um solo mais úmido, pinheiros, algum tipo de floresta, era uma transformação.

Ao chegarmos em Tejeda o tempo então começou a abrir e ele lá o impetuoso apareceu. O Roque Nublo. Sim: “eu vim te ver”.

img_8620-1
Iniciamos a segunda subida, mais complicadinha – também em uma média de 10%. Ela ia piorando, você via as formações rochosas mas elas nunca chegavam.  Assim aproveitamos o visual com algumas cachoeiras e descidas de rios (que eram raros). O número de turistas aumentava relativamente o que de certa forma complicava um pouco. Claro que o povo é educado e dava a vez, mas não deixava de ser um “atrolho” de pessoas.

Quando cheguei no Roque Nublo, era uma festa só, muitas pessoas, muita animação, foi como um êxtase. Lá de cima se via inclusive a ilha de Tenerife. Realmente o povo conversava comigo, acho que treinei umas 7 línguas. Até francês eu arranhei; em um momento um sérvio tentava alguma comunicação comigo, uma britânica também ficou muito feliz quando viu e disse “uma mulher!”, um local me acompanhou muito tempo e me dava boas dicas, fiz amizade com um italiano que me convenceu de fazer a Lavaredo, e nossa perdi as contas, foram muitas pessoas que acompanhavam e incentivavam, e era sempre algo relacionado com “vamos pequena”… Essa troca de experiências é que faz ser a corrida o que é. Em 15 horas perdi as contas das amizades que fiz. Deu para curtir! Muito!

Depois do Roque Nublo se passou por uma primeira barragem (ao meu ver lindo), e o posto de Garañon onde o abastecimento era bem forte, ali eram entregues as bolsas e o pessoal realmente parava e tomava seu tempo. Eu continuei com destino ao ponto mais alto da ilha: Pico de las Nieves com quase 2000m, dali as más línguas diziam que seria somente descida (mentira). Porém as descidas realmente eram longas, pesadas e duras, meu quadríceps travou, pois além de muito técnico, com pedras soltas, trilhas coloniais, não te deixavam desenvolver muito. O jeito era ir travando. Ainda se encontrou mais algumas subidas, o dia escureceu e cheguei na segunda barragem (mais linda ainda). Dali teríamos só mais 18km. Sim o cansaço pesa, as pernas pesam, a noite complica. Mais uma última subida e caímos dentro um vale. Os últimos 10km acreditem foi dentro de um rio. Um rio seco. Eram só cascalhos, mas a noite era muito difícil correr. Vi muitos tropeçaram e beijarem o chão. Decidi caminhar. Não faltava muito, mas o vale continuava sempre fechado, e não terminava nunca. De repente você vê as luzes da cidade e uma placa: faltam 5km para a meta, é uma injeção de adrenalina. Voltei a correr e até o final a intenção era única. Cruzar a linha. Realmente é divino! Na chegada você acaba vendo todos que conversaram e correram contigo, e a emoção é imensa. Só devo agradecer. Foi uma das provas mais lindas que já fiz. Uma prova realmente TOP. Se eu aconselho? Eu mesma quero voltar para os 125k!

Fechei a prova com 15h45´, até abaixo das minhas expectativas.

Falando em 125k, o nosso colega brasileiro Chico Santos, que ficou entre os primeiros colocados sendo fotografado pelo ilustríssimo Ian Corless (um dia eu chego lá).

c2a9iancorless-com_transgrancanaria2017-7581

Outro ponto muito favorável é que com uma inscrição de 120 euros a gente ganha MUITA coisa e muita coisa boa.

Também como engenheira sanitária/hidráulica fiquei encantada com as obras de engenharia, pois como citado a região é desértica portanto o aproveitamento de água é máximo. Passamos por duas barragens com lagos enormes. Em uma a adutora atravessava o vale com algo em torno de DN1200 (diâmetro da tubulação).


Há também, muito aproveitamento para irrigação, se via tubulações o tempo inteiro, puxa daqui e leva para lá. Também bacias dissipadoras de chuva (pois dizem que as tormentas são poucas mas são fortes), fora que tivemos que correr os últimos 10km dentro do leito seco do rio em meio a cascalhos encaixado no vale. Isso para mim é além de corrida.

A geologia da região também é fora de sério!

Só uma coisa. É apaixonante. Obrigada Espanha, obrigada Canárias.

Sem título.png

ADVANCED-82-1024x396.png

Agradecimento especial ao meu treinador Sidney Togumi e equipe UPFIT

Ao funcional da Converge

transgrancanaria2017-23720

Anúncios

2 pensamentos sobre “Transgrancanaria 2017 – 82k

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s