Meu Eu intransponível 

Por quê? Você já se perguntou? Estou lendo um livro e ele me questiona muitas coisas e uma delas é: “why?”
Por que correr? Por que tanto? É difícil às vezes explicar a razão dessas escolhas. Mas é apenas o momento, a busca de mim mesma. O prazer da liberdade, da vontade de desligar do mundo; é apenas respirar um ar fresco escutando os animais. Você se desconecta e transborda energias boas. Você sente a beleza da vida, da natureza. Ok, mas então perguntam: não bastaria 20k ou 2 horas para já se ter isso? Para alguns talvez sim, mas para mim não; não bastam. É preciso o sacrifício, a dor, a recompensa. O sentimento de surperação. De que você venceu uma barreira talvez intangível. 

Como eu sei que não sou boa o bastante para ganhar uma corrida eu me exijo na superação de distâncias cada vez maiores. 

Desejos de cada um. Quando o 42k me satisfez, fui para o 50 e para o 80 e assim por diante. Estou chegando nos 120 e não pretendo parar por aí. Também não quero extrapolar. Talvez eu esteja, mas apenas quero encontrar a mim mesma. 

Este final de semana vi muita gente top competindo e arrasando, desta forma penso: o que resta para mim? Um ser ínfimo! Apenas a ser certeza de estar fazendo algo que me realize e que me torne feliz. Nada a mais, nada para ninguém. Apenas para eu me sentir uma pessoa mais capaz. Sentir que vou ao encontro de algo, e não simplesmente vivo. Esse é o meu porquê, tentar atingir o meu intransponível. 

E os comentários não bastam: “mas você reclama, tendo tudo!” Infelizmente existem pessoas que não se satisfazem com o necessário. Eu sou uma delas, e tenho certeza que a maioria dos corredores de longas distâncias são assim também. 

Eu na busca do meu eu intransponível.

Relato Indomit Pedra do Baú

Pedra do Baú

EKG17IPB14093

 

Recebi da organização Indomit a oportunidade de conhecer um pedaço da Serra Mantiqueira.  Neste último fim de semana do dia 1/04 estive conhecendo a cidade de São Bento e a Pedra do Baú. Minha segunda visita na Serra, que se assemelha muito com a Gaúcha.

Tenho a dizer que a organização foi excelente, uma vez que conseguem reunir sempre pessoas tops. Fui sozinha do RS e maravilhosamente recebida. Encontrei o amigo Valmir de MG e conheci a embaixadora Cissa, pessoas sensacionais que me acompanharam nessa empreitada. Fora os amigos de SP que me receberam (de coração): Marco Fabio, os fotógrafos Ney e Wladmir, e minha assessoria Upfit, mais a galera da Bronet/Osprey – todos não mediram esforços. Ah tenho uns fãs perdidos também; é tanta gente para admirarem, escolheram a mim, então poupo nomes rsrs.

Foi muito legal encontrar igualmente o grupo Sprint de Belém, imaginem dois extremos do Brasil em uma amizade já de longo prazo; fico muito feliz em contar.

Decidi em função de algumas provas longas, que ainda tenho pela frente, apenas enfrentar os 35K, que para mim seriam como um treino. Eu estava pela curtição, confesso. Acreditem que, mesmo assim, esses 35K me resultaram em um acúmulo positivo de 1900 metros (que treino hein), e arranhei ainda meu primeiro troféu dos 30 anos. Foi trabalhoso. Deu para acompanhar a 5 colocada geral Denize por bastante tempo e descobrir que ela é minha conterrânea. Essa é a parte que mais gosto das provas, as pessoas que a gente conhece e as amizades que nós criamos.

O pessoal da Osprey também me contatou para testar uma mochila Rev6, e tudo – esse acumulado -me proporciou uma experiência incrível! Alias, assistam lá na página do face: Osprey Brasil o nosso vídeo!

A prova iniciou com uma subida em asfalto, logo entramos em uma estrada de chão mais outra subida infinita de uns 7km (dos 900m aos 1600m). O que mais adorei é que aos invés de cabritos montanheses nós temos vacas Zebu escaladoras, sensacional! — Imagina os cogumelos dessas vacas (é uma piada irônica).

Eu me senti em casa, uma vez que ver as araucárias é como ter um pedaço de mim pelo trajeto. Não tem como negar que os staffs são sempre muito legais. E eu me divirto, pois mesmo indo sozinha as pessoas me conhecem! “Bora gaúcha, vamos Raïssa”. Lá pelo km20 o staff me fala: “passaram perguntando de você”, hehehehe que carinho gente! O povo local inclusive é demais!

O link do meu percurso Strava para quem quiser conferir está em https://www.strava.com/activities/923822251#kudos

Quando terminei a prova ainda tinha o pessoal da Bronet/Osprey aguardando para a avaliação da mochila. A verdinha Rev6.

EKG17IPB8887.jpg

E o momento chave da minha prova: minha chegada. Eu fiz um vídeo que conta o ocorrido, claro que quem me conhece sabe; eu faço drama, adoro uma encenação. Gente eu brinco tá, e eu falo desse jeito mesmo, as pessoas se divertem com minha forma “bergamasca” de ser.

Enfim, o percurso é muito bonito de verdade. E eu pretendo voltar para fazer os 50k ano que vem (se me quiserem)  — Juannnn me chama! Daí a gente chega junto de novo: eu nos 50k e você nos 21k, que tal?? Desafio proposto!

Adorei tudo! Obrigada Mantiqueira,  São Bento, paulistas, Indomit!

FAQ17IPB4922