Review Fenix 5X

Garmin Fenix 5X

O mais incorporado dos novos modelos Garmin, lançados neste ano de 2017, com a série 5, que inclui 3 modelos. O 5X ainda não está sendo comercializado no Brasil. Porém tem todos atributos do Fenix 5 e 5S, sua diferença é o acesso aos mapas TOPO U.S. próprio do Garmin, que podem ser facilmente carregados, para qualquer parte do mundo, inclusive para o Brasil.

Slide5_thumb

Ele é o maior e mais pesado dos 3 modelos, tendo 51mm, mesmo assim consegue ser mais leve que os modelos antecessores. É robusto, multi-esportes, disponível apenas com tela de safira.

Ele ainda traz as características dos antigos modelos, como Face It, que é a possibilidade de trocar o fundo de tela do relógio, como de outros modelos, e com o monitor cardíaco no pulso Elevate™².

garmin-fenix-5x-techskin-brushed-steel-skin-20.gif

Foi incluída a possibilidade de troca de pulseira por encaixe chamada QuickFit™, ou seja, nada mais de pulseira arrebentada.

quickfit.jpg

O programa de configuração é super simples, especialmente se você já possui uma conta Garmin Connect. Baixe o aplicativo, conecte-se ao relógio via Bluetooth para instalação, ele irá perguntar quais esportes são seus favoritos, então você tem aqueles como seus favoritos na tela de dados do seu relógio. Você pode adicionar mais tarde outros, mas esta é uma maneira fácil de personalizar a sua experiência desde o início.

O acesso de dados de GPS no Fenix 5X é super rápida, uma vez que a antena e a caixa traseira é de aço inox, seu display também melhorou para 240 x 240 pixels, e também passou de 16 para 64 cores. A exibição do display também é reflexiva, o que significa que as condições de iluminação são mais brilhantes, mais fácil de ler, o oposto da maioria dos smartwatches.

Graças à mega bateria deste dispositivo é possível ter rastreamento de atividades durante o dia, e análise de sono à noite, tudo sem se preocupar com a falta de energia. Porém, é bom desliga-lo fora de uso, uma vez que consome mais que outros relógios, devido a alta funcionalidade, mesmo parado.

Mas o que eu mais gostei no relógio, foi o controle de músicas pelo pulso.

Uma vez que, conectado por bluetooth ao celular, você consegue comandar muitas atividades do seu celular através do Garmin, e o controle de músicas é uma delas.

highlight-1.jpg

Para o ciclismo, há muitas opções – como usar o Strava Live Segments e conectar-se a sensores ANT + para cadência, energia e muito mais.

A orientação é realmente impressionante no Fenix 5X. Este, atualmente é o único relógio para oferecer mapas verdadeiros de pulso. Mapas coloridos aliás. Estes são incorporados, para que você possa alterar as telas de dados em uma corrida, e veja exatamente onde você está. Uma vez que os mapas são armazenados no relógio, isso é quase instantâneo e o detalhe é ótimo, é como um Maps de pulso. O sistema de Garmin conhece as ruas da cidade, bem como trilhas obscuras e riachos no meio do nada. Pode até ajudá-lo a encontrar pontos de interesse ao seu redor, como bancos e restaurantes. Além do back to start, fazendo o caminho reverso caso você se perca.

Contudo, o recurso de mapas não é perfeito. Panning e zoom em torno do mapa leva uma tonelada de diferentes botões para se pressionar e nos deixa desejando um touchscreen. Mas ainda assim, é um agregado incrível, e os mapas em cores são bem fáceis de ler.

F5X_BirdsEye_2.jpg

O relógio fēnix 5X dispõe também de recursos de treinamento sofisticados que ajudam a monitorar sua forma e seu desempenho. As leituras avançadas de status de treinamento e Training Effect mostram os benefícios aeróbicos e anaeróbicos do seu exercício – assim você pode ver como seus exercícios estão dando a resposta esperada. O estimador de VO2 máximo resume dados, incluindo velocidade de corrida, batimentos por minuto e variabilidade de frequência cardíaca, para estimar o volume máximo de oxigênio que você pode consumir por minuto. Outras métricas de condicionamento incluem ainda avisos de recuperação com temporizador e verificação de recuperação, além de um indicador de corrida que estima seu tempo de conclusão ideal com base em seu VO2 máximo atual.

Já nos recursos de treinamento que aproveitam as métricas fisiológicas estendidas e dinâmica de corrida avançada, estão incluídos:

  • Condição de desempenho: depois de correr por 6 a 20 minutos, o fēnix 5X compara sua condição em tempo real com seus níveis médios de condicionamento físico
  • Limiar de lactato: pela análise de seu ritmo e frequência cardíaca, o fēnix 5X estima o ponto em que seus músculos começam a fadigar mais rapidamente
  • Estimativa de VO2 máximo
  • Cadência – o número de passos por minuto
  • Comprimento do passo – mostra o comprimento do seu passo em tempo real

 

Outro fator é a rastreabilidade LiveTrack. Outros relógios, como o TomTom Spark 3, oferecem também essa funcionalidade. No entanto, vê-lo no mapa TOPO é sensacional.

O LiveTrack permite que seus amigos acompanhem suas aventuras em tempo real. E o mesmo já vem conectado com modo Beacon do Strava, ou seja, seus amigos via Strava podem lhe acompanhar. Com três contatos de emergência, o Strava Beacon se conecta ao LiveTrack de forma automática, onde os mesmo ao início da atividade recebem uma mensagem com link de acompanhamento.

Portanto, se você é um aventureiro que gosta de se perder na natureza, então o Fenix ​​5X é ideal para você. Os mapas incorporados, a longa duração da bateria e os alertas do sensor para tempestades tornam o parceiro ideal para uma aventura ao ar livre. Se você correr, andar de bicicleta, nadar, golf ou qualquer outro esporte, ele é bom para tudo.

Porém, se você estiver à procura de um relógio apenas para correr, digamos, talvez a série simples sejam melhores, uma vez que eles são mais leves no pulso e, portanto, mais confortáveis.

Fenix 5X foi o eleito o melhor dos relógios dos últimos tempos, então o investimento é alto.

2017-01-06-11.png

Anúncios

Relato CCC 2017 

Você quer, você pode. 

Sim, nem todos nasceram com a melhor genética da terra. Existem uns Kilian, outras Nuria. Mas existem pessoas como eu, normais, persistentes, teimosas. 

Há uns 6 anos eu vi meu irmão realizando uma prova que me encantou de todas formas. Ela se chamava La Mision. Eu estava morando fora e aprendendo o que era essa tal corrida, ultra trail eles chamavam. Sim, meu irmão sempre foi minha inspiração. Iniciando os treinamentos para o La Mision 80km, que realizei em 2015 conheci algumas pessoas que me explicaram o que seria a tal UTMB – Ultra Trail du Mont Blanc, e a partir dali em meados de 2014 eu decidi tentar atingir isso até onde meu corpo permitiria. Escolhi a CCC 101km, chamada Little Sister, que seria a meia volta final da UTMB. Em dezembro de 2016 fui sorteada, e decidi então realizá-la, que ocorreu em setembro de 2017. Se você notar até eu conseguir chegar nisso, passaram-se alguns anos. Eu não fui a melhor corredora, nem a melhor brasileira, nem a melhor gaúcha, talvez uma das mais jovens, mas isso não desmerece o trabalho envolvido.

Terminei quase semi-morta. Mas de alma lavada. Foi um trabalho árduo, exigiu dedicação, dinheiro, e acima de tudo muito esforço. No meio da prova a gente sempre pensa: “por quê?!.”

A largada da CCC ocorreu em pelotões, sai no 2o das 9h15, sozinha, logo encontrei duas brasileiras Manu Rios e Ana Osório que estavam também por lá. Ambas fizeram apoio importante em momento que nos cruzávamos, onde sempre nos incentivávamos.


Minha primeira metade da prova foi muito boa, fechei um dos meus melhores 50km com um acumulado positivo absurdo, mas logo viria a chuva e junto dela um frio bastante severo, e claro a noite. Quando cheguei na divisa da Itália e Suiça, chamada Col Ferret a neblina baixou muito. O corpo umideceu, e minha roupa, que não estava apropriada, encharcou. Decidi continuar para trocar mais tarde, mas cada vez era pior. Então a chuva iniciou. Mesmo com impermeável fiquei extremamente úmida e com muito frio. 


Estava chegando em Champex km56, lá encontraria a Nivea, esposa de um colega que também estava correndo, Luiz Facioli de SP. A Nivea foi essencial para mim. Sem sua ajuda acredito que eu não tivesse continuado, sabe anjos que Deus coloca no nosso caminho?! Ela me aqueceu, e me deu um apoio muito forte em um momento que eu passava por um estresse extremo. A chuva e a sensação térmica de uns -7 graus na montanha tinham definitivamente acabado comigo. Não só comigo, com muitas outras pessoas. Meus ouvidos já haviam estourado diversas vezes, e eu tremia de uma forma que perdia muita energia. Quando estávamos na montanha o vento era cortante e era impossível caminhar ou permanecer parado, aquilo de certa forma acelera a gente. Soube de um problema de cegueira tanto na Manu Villaseca quanto na Fernanda Maciel, onde ambas deixaram a UTMB principal. Saúde é tudo né?! 

Fiquei parada em Champex quase 2h, liguei para algumas pessoas, conversei com meu amigo Xandao que havia já saído da prova, e com o Gustavo que a realizou no ano anterior, com a Leo que tinha concluído a TDS; todos me deram um apoio importante para continuar. Após 2h resolvi deixar Champex junto de uma italiana: Enrica, que também foi um apoio importante e esteve comigo toda madrugada. Alguns perguntaram do tempo parada e do pace ter diminuído tanto. Às vezes uma prova exige coisas diversas. Exige psicológico, exige companhia, e o FairPlay é super significativo, você deve mudar seu pace para poder ter alguém perto de você, e eu estava precisando bastante. O clima severo mexeu com nosso psicológico e eu só estava buscando concluir a prova, mesmo no tempo limite. A partir de Trient km72 eu apenas caminhei, escutei outra vez que sabendo administrar a sobra dos cortes, o resultado é apenas cruzar a linha de chegada. Enrica dizia: eu só quero o colete, e não vou mentir que eu também só queria ele, indiferente resultados. UTMB me ensinou muitas coisas. Muitas. Ensinou quem nos valoriza em momentos extremos. Xandao e sua família estiveram comigo, Leonice também. A energia do pessoal estava demais! Aquilo te coloca para cima, boas companhias! Agradeço Família Moschen, inclusive o treinador Togumi e os colegas UPFIT presentes. Foi espetacular e uma das experiências mais incríveis da minha ainda pequena vida. Eu não tive minha melhor performance e talvez isso me incentive a retornar daqui alguns anos. Eu sei que economizei muito, o tempo inteiro, exatamente por nunca ter feito tal distância, depois você pensa se teria sido melhor acelerar, mas ao fim você atinge a meta e é isso que vale. Ao longo do percurso muitas pessoas torcem, tocam os sinos, gritam “Ale, andiamo”. Criancas correm conosco. O povo vê a bandeira no numeral e grita: Brasilll. Então, tudo isso te move, bastante!!! É realmente uma experiência ímpar.


Eu sei que essa é uma das provas mais significativas da terra. A vida é feita para almejarmos sempre mais, claro com humildade e dentro da nossa possibilidade. Talvez eu volve, talvez  não. Como citei, depois de tudo isso fiquei satisfeita com a CCC e não desejo nesse momento a UTMB, mas às vezes a vida toma rumos engraçados e não podemos prever nada.  Aliás, encontrei novamente meu maior ídolo Marco Olmo que nos visitou inclusive. 


Então, se eu recomendo? É óbvio! Você já deve ter escutado isso de diversas pessoas, como eu escutei. Mas é necessário viver para ver. Chamonix é abençoada. Acendi velas para São Bernardo protetor das montanhas do Mont Blanc e certeza que eu pude ser abençoada com essa maravilhosa oportunidade. 

Eu gostaria de agradecer especialmente aos apoiadores Osprey Brasil, Julbo Brasil, La Sportiva Brasil, UPFIT e Converge.

Eu sou Finisher!