Review Transbike Thule Velocompact

O Thule VeloCompact é um dos transbike com engate de reboque mais acessíveis em custo-benefício além de ser fácil de usar. Ele tem uma ampla gama de ajustes para atender diferentes tipos de bicicletas é muito sólido e seguro. Quando está instalado, você ainda pode abrir o bagageiro do seu carro, que ele se dobra para armazenamento. É um bom investimento para quem transporta regularmente bicicletas num carro.

IMG_1955.JPG

O transbike VeloCompact da Thule suporta o peso das bicicletas a partir das rodas, com um braço de segurança exclusivamente para garantir que as bicicletas permanecem na vertical. O suporte das rodas pode ser ajustável conforme o tamanho da mesma.

IMG_1950  img_1949.jpg

Com vários pontos de fixação para as próprias bicicletas, elas estão bem presas por trás do carro. Esta foi a minha escolha foi por eu ter estatura baixa, o que me dificultaria racks de teto, e por morar em um condomínio com portões que me obrigariam a desmontar na rua. Além das minhas bicicletas serem femininas, o que necessitaria de uma adaptador para os outros suportes, no caso do Velocompact ser preso às rodas, não necessita de nenhum adaptador.

O Thule VeloCompact 925 vem como uma peça de lego na caixa, e é totalmente simples monta-lo, uma operação realmente fácil, você nem precisa ler o manual de instruções. Posicione o Velocompact sobre a bola de reboque e empurre a alavanca grande para baixo, depois gire a chave para travar o suporte no lugar. A tensão do braço de travamento pode ser ajustada, mas uma vez definido, você nunca precisará fazê-lo novamente. A parte mais complicada desta operação é soltar o suporte até a bola de reboque porque são 14,3 kg de acessório.

download (1)

images

Colocar a bicicleta no transbike é igualmente simples. Suportes de roda moldados deslizam para fora do transbike e correias largas de catraca de plástico prendem as rodas no lugar.

O modelo 925 possui dois braços de metal se estendem do topo da estrutura e terminam em grampos de mandíbulas macias que prendem a estrutura da sua bicicleta, seja ao redor do tubo superior ou abaixo do tubo. Os braços podem ser facilmente reposicionados sempre que você precisar deles. Você usa o braço curto para a bicicleta mais próxima do carro e o braço longo para a bicicleta do lado de fora. Se você precisa transportar três bicicletas, o VeloCompact 927 tem um bicicletário extra (ainda com adaptador para uma quarta bicicleta).

Montar uma bicicleta é fácil leva 30 segundos para que uma bicicleta seja fixada no transbike.

Os braços têm braçadeiras revestidas de borracha para proteger a pintura, e os grandes mostradores de plástico são rápidos de ajustar. Eles podem ser bloqueados para impedir o furto, mas se você planeja deixar as bicicletas no transbike e ficar fora de vista por um período significativo, eu investiria em uma corrente a mais. Não deixe o carro sem vigilância, simplesmente não vale o risco.

As cápsulas do indicador e da luz de freio deslizam para fora quando em uso e deslizam para baixo para deixar o rack mais compacto quando em armazenamento. As luzes são alimentadas por um plugue normal de sete pinos.

Eu tenho usado esse transbike, com todos os tipos de bikes, desde road a mountain bikes. Eu não encontrei uma combinação que cause algum problema; até mesmo uma bicicleta de montanha de tamanho maior e uma road. As bicicletas se encaixam melhor quando você alterna o guidão ao selim e, é claro, é mais rápido e fácil encaixar. As braçadeiras revestidas de borracha não danificaram nenhuma das bicicletas. Você não precisa apertar as braçadeiras com muita força, não há necessidade em exagerar no torque, elas seguram bem. E os suportes para as rodas se ajustam a diversos tamanhos.

A condução mostra que o suporte é extremamente seguro e muito estável. Ele balança um pouco, devido ao momento da bola de reboque, mas não é excessivo. Não há ruído de vento e, dependendo das bicicletas montadas, há pouco impacto na economia de combustível ou nas características de direção através das curvas. Ele é garantido em velocidade de até 110 km/h. Se o seu carro tiver sensores de estacionamento, eles são acionados pelo suporte, mas o estacionamento em ré com duas bicicletas não é complicado pois as bicicletas fornecem uma indicação visual útil.

Se você precisa acessar o porta-malas do carro sem querer remover as bicicletas, o Thule VeloCompact mostra sua melhor característica: um pedal que permite que o transbike inteiro se incline para a frente o suficiente para que o carro se abra. É uma solução engenhosa e funciona de forma brilhante. É uma característica fundamental sobre os modelos mais baratos, e vale a pena pagar o extra, especialmente para viagens rodoviárias, onde o acesso é necessário.

511657_sized_900x600_rev_1

Há um limite de peso de bicicleta de 25 kg para cada, limite total de 46kg, que pode impedir algumas bicicletas elétricas, mas as bicicletas regulares de montanha e de estrada estão bem dentro desse limite.

Não é uma maneira barata de transportar bicicletas em comparação com um rack de inicialização ou mesmo rack de teto, mas é o mais seguro, estável e conveniente para viagens regulares e longas. E você também tem que considerar o custo do engate. No entanto, se você estiver carregando seu carro regularmente, o investimento será compensado com a facilidade de uso oferecida pela maioria dos outros racks.

É importante lembrar que alguns computadores de bordo não suportam uma sobrecarga de lâmpadas e então é também necessária a instalação de um módulo de segurança para o sistema elétrico, dependendo do carro (R$ 350). É importante verificar com o instalador do reboque como será realizada a instalação elétrica do mesmo, muitos ligam direto e isso poderá causar algum tipo de problema, então consulte também uma autoelétrica automotiva.

Dado que o rack e as bicicletas estarão cobrindo a sua placa, o VeloCompact inclui seu próprio suporte de placa. Para isso, é necessária uma segunda placa traseira, que deve ser solicitada ao DETRAN. Dependendo da cidade onde você mora, a melhor alternativa é contratar um despachante que realize o serviço, pois eu levei mais de 4h, em filas, vistoria e fabricação de placas. O custo extra foi de vistoria (aproximadamente R$70) e de placa (aproximadamente R$ 60).

Também é um pouco difícil de guardar, eu deixo na minha vaga de garagem. Mas a sua construção durável e bem pensada faz dele uma opção adequada para quem procura um transbike de alta qualidade para transportar suas bicicletas com segurança.

511654_sized_900x600_rev_1

Últimas observações é sobre esse braço reclinável, que pode ser movido para guardar, e ao ser utilizado deve ser travado em uma espécie de dente para que não se mova durante o uso; e a última é sobre como é importante verificar a capacidade do engate pela certificação INMETRO.

Um transbike deste design é certamente um investimento muito maior do que os de gancho, que necessitam de adaptadores. No entanto, comparado aos de teto o custo é muito semelhante. O VeloCompact é certamente um investimento, mas serve como moeda de troca em caso de venda. E ainda com 10 anos de garantia.

Se interessou? As especificações técnicas do produto estão em:

https://www.thule.com/pt-br/br/bike-rack/towbar-bike-racks/thule-velocompact-2-7-pin-_-925

Mais modelos em:

https://www.thule.com/pt-br/br/bike-rack

E você encontra o produto em lojas credenciadas perto de você, ou na Bike Garden Store:

http://bikegarden.com.br/

Anúncios

Circuito do Vale Europeu Catarinense

Bom dia aventureiros!

e6d6ee3fe5bf084791e94a2b97fa68dfP1010024 68973_10151432118948958_1293678743_n020 (2)   20130212_120419

Hoje o roteiro é o Circuito Vale Europeu Catarinense. Localizada no Vale do Itajaí, a região é famosa por eventos como a Oktoberfest de Blumenau e possui herança cultural dos colonizadores alemães, italianos, austríacos e poloneses. Além do turismo ecológico o Vale Europeu possui muitas outras atrações: da arquitetura típica à culinária.

Eu fui à região fazer o Circuito do Cicloturismo que tem como roteiro um total de 300km com início e término na cidade de Timbó-SC, a cerca de 30km de Blumenau. O percurso pode ser dividido em parte alta e parte baixa. Se você não quiser fazer o roteiro completo pode apenas pedalar pela parte baixa. Essa acompanha o vale dos rios, indo de Timbó até Rodeio. Possui subidas e descidas, retornando sempre a uma altitude pouco maior do que a do nível do mar. Por estas características de relevo, pode ser feito por pessoas que possuam um condicionamento físico razoável e uma certa experiência com bicicleta.

Já na parte alta, o Circuito sobe a serra em direção às represas, que ficam a cerca de 700m de altitude. É uma região um pouco mais isolada, onde a natureza está muito presente. São frequentes os trechos em que a estradinha estreita se embrenha na mata e permite que o cicloturista fique muito próximo dos pássaros e outros pequenos animais. O relevo é mais acentuado e exige um bom preparo físico para enfrentar alguns desafios como os longos trechos de subida, e uma certa experiência em cicloturismo, uma vez que o roteiro cruza locais menos habitados.

A região onde passa o Circuito possui belíssimas paisagens e uma natureza bem preservada, com muitas áreas de Mata Atlântica ainda intocadas. Nas partes mais altas há também as imponentes araucárias, típicas do Sul do Brasil. A presença da água é um dos destaques deste roteiro, além de ser uma das áreas com maior concentração de nascentes do país, são inúmeras cachoeiras, rios e riachos pelo caminho. Muito gostoso, pois realizamos o circuito em fevereiro durante o carnaval e à medida que sentíamos algum tipo de desgaste parávamos nas cachoeiras para nos refrescar.

Cachoeira de zimbros

Cachoeira de zimbros

Outro aspecto interessante do Circuito é a marca da cultura europeia, que se manifesta fortemente nos hábitos e tradições da população. A imigração, inicialmente alemã, seguida da italiana, é visível em muitos aspectos como a arquitetura, a gastronomia, a música e os esportes. Fomos convidados a entrar na casa dos moradores locais para sentir e usufruir da cultura local.

Durante as pedaladas observamos a arquitetura Enxaimel, proveniente do sul da Alemanha. Provamos vinhos e queijos produzidos com a tradição italiana e tivemos contato com o modo de vida simples e tranquilo das pessoas do campo.

Mas definitivamente o mais legal foi que ao fim dos trajetos tanto em Timbó como em Pomerode, nos reunimos nas cervejarias artesanais locais para brindar mais um dia de desafio superado. Em Pomerode a cervejaria Schornstein é localizada em um charmoso prédio tombado pelo patrimônio histórico, que tem uma imponente chaminé de 30 metros de altura feita de tijolos maciços artesanais. Daí vem a origem do nome Schornstein, que, em alemão, significa chaminé. Existe ainda a possibilidade de fazer uma visita monitorada às instalações da cervejaria para conhecer todo o processo de fabricação da bebida e ainda degustar um chope tirado direto do tanque.

5505_4967210750959_899800163_n 20130210_164309

O cicloturismo pode ser realizado a qualquer momento do ano, basta se cadastrar e ter acesso ao guia que é disponível online pelo site oficial http://cicloturismo.circuitovaleeuropeu.com.br/downloads/ tudo é muito bem indicado. Porém, todo ano durante o carnaval é realizado o evento oficial. O circuito é autossuficiente, portanto você deve carregar todos seus utensílios.

SUPER recomendo tanto pela integração cultural, ecológica e claro a gastronômica.

307918_611736092186626_1756420984_n